Tenho sempre o prazer de (re)encontrar Zezé di Nha Reinalda. Falamos do passado comum no Finason e, como não podia deixar, da música presen...

Artistas e Obras

12:45 PM 0 Comments

Tenho sempre o prazer de (re)encontrar Zezé di Nha Reinalda.
Falamos do passado comum no Finason e, como não podia deixar, da música presente e do futuro.

O que me surpreende em Zezé é a contínua fé, paixão e trabalho à volta de novas composições.
Composições que observam os bastidores da nação, os bairros da cidade, a dinâmica social actual e o mundo. Aliás, como ficou marcado em quase todos os discos que gravou.

Em 1988, num tempo em que a música caboverdiana patinava na subida criativa, Zezé di Nha Reinalda surge com Onti i Oji, para colocar a léguas de distância de muitos de nós, as fronteiras do Son em Cabo Verde.

Este País, tem neste autor e neste disco uma obra clássica e de valor incalculável.

Ontem, hoje e amanhã!

Deixo dois temas para audição. Divulgue!




0 comments: