Facebook
O Son varia com a L´Atitude.

quinta-feira, abril 20, 2017

Occupy Mars BackPack Robotics


Bob Barboza, keeps on pushing for smart ways to promote science and technology to schools and communities.

Check here: http://www.kidstalkradiola.com/
Share:

sexta-feira, abril 14, 2017

Estética e Estátuas em CV


A ignorância ainda há de nos liquidar.

"Dr. António Manuel da Costa Lereno, natural da região de Viseu e falecido em Lisboa (1850-1916) mas longos anos ligado cívica e profissionalmente a Cabo Verde. Seu filho, Álvaro de Paiva de Almeida Lereno nasceu na Brava.

A ligação a Luís de Camões é porque o monumento que os santiaguenses lhe ergueram se situa nessa pracinha do platô (e no platô há rua com o nome do Dr. Lereno). Trata-se de um busto em bronze (por isso se disse que também existia em verde) sobre plinto de pedra, junto ao qual uma mulher do povo aponta ao filho a figura do ilustre médico que teve acção meritória na defesa da saúde das populações da ilha e de vários outros locais do arquipélago. O monumento é da autoria do escultor lisboeta Maximiano Alves, o mesmo que anos antes executara a figura jacente no túmulo da família Serradas no cemitério de São Vicente, que se pode designar por "A Dor" mas que o povo local baptizou de "Nha Marquinha". Lereno desempenhou ainda diversas outras actividades públicas como por exemplo a de vice-presidente da comissão municipal de São Vicente. Quanto ao tal café cibernético é o Cybercafé Sofia, quase fronteiro ao monumento."

Fonte aqui.
Share:

sexta-feira, abril 07, 2017

Retocando o Banner da AJOC


"Escreva e Fale Bem. Sem Medo"

Sim, porque liberdade de expressão com escrita e fala do mais baixo nível, é contribuir para a mediocridade democrática.
Acho...
Share:

DA MARGINALIDADE AO POETA NÃO ANTOLOGIADO


A Valentinuos Velhinho, poeta de ruas correndo noites de insónia...
é insosso a escrita que escrevo 
vida esbatida em versos rengos 
 murmúrios das horas extintas
viagens a lugares desistidos.

broncos os versos que escrevo 
papel árido de coisas remoendo 
conjuros e sentenças excêntricas 
 devaneios dum gaiato varrido.

tronco os poemas que assevero 
 fronte crespa de um jumento 
 marcha grotesca e impudências 
 de quem finge cultivar lírios.

atenção! neles há face e verbo 
 que cada um de nós conhece 
há gaveta onde mora a paciência 
 o infinito a janela e os grilos.

cuidado! há o pastor austero 
 que a galardões não concorre 
 há calma suficiente e sapiência 
 de jamais vergar ante o elogio.

Kaká Barbosa
Share:

Kriol Ame and Jazz


Share:

quinta-feira, abril 06, 2017

Our History to be Known


“I wanted people to know about our service. A lot of people don’t know Cape Verdeans served in the Revolutionary War and the Civil War,”

“We have made a lot of contributions to America and been largely left out of history,” he said. “The cranberry, whaling industries were all built on the backs of the Cape Verdeans. I want people to know about our contributions.” Ron Barboza

Share:

Finding!


Os acordes podem causar loucura...
O problema é encontrar aqueles com "aquela" pancada!

Share:

sábado, março 25, 2017

Funanight - New and Fresh Music


Obrigado Mário.
Share:

quarta-feira, março 22, 2017

terça-feira, março 21, 2017

Chuck Rock



"If you tried to give rock and roll another name, you might call it 'Chuck Berry'." - John Lennon

Share:

Morabeza Please!



Oliveira Barros

Desmontagem de “Morabeza” – Coimbra-73

Das revoltas da nossa África
pacificada pelos canhões e desarmada pela cruz
ensinaram-nos “gente-gentio-que-come-gente”
a selva o selvagem e os monstros da nossa infância.
Assim começou
o que portugal vem chamando
nossa cultura diferente.
─ Em tempos dessa remota subjacência
cabo verde cantou a adjacência…
Num paraíso de “Bapor di Sul na Mar”
esperando contratados,
de cadáveres entulhados pelos caminhos
de isolamento, fome e enterros coletivos,
nasceu a mitologia
do sentido da festa, de arte de receber
do nosso abraço envolvente afável cativante,
“Morabeza” é essa estranha florescência
do tempo da fartura ilusória
da farinha de mandioca.
“Morabeza” chocolate, please!
“Morabeza” cigarrette, please!
Money, please, please, please!
“Morabeza” é mendicidade de cicerone em pele e osso.
“Morabeza” é sexo comerciado em todas as línguas
com marinheiros de todos os mares.
“Morabeza” hoje
que negreiros em versão moderna
deixaram Cabo Verde rumo ao crescimento de Lisboa,
é a arte de receber o invasor
em todas as suas formas de chegar.
Em todas as suas formas de querer ficar…
Portugal foi-nos sempre
um Longe e um Dentro:
O Longe da nossa Fome
O Dentro da nossa renúncia.
“Morabeza” é ode ao conformismo.
“Morabeza” é DESARMAMENTO:
portugal inventou em nós a “Morabeza”.
Os literatos caboverdeanos
criaram ou caíram na glosa deste mote
tão velho como as velhas caravelas.
Poetas exilados ou silenciados
de gavetas grávidas e cabeça em febre!
Não é apenas um desejo impotente:
Cabo Seco, arquipélago da fome
sala de danças predileta da Lestada,
vai ser CABO VERDE.
─ Os ecos chegam do Sul no sentido da Monção
e não param.


in Raízes, nº 2 Ano I – 1977
Share:

segunda-feira, março 20, 2017

Prime Talk #1



Prime Talk #1

Integração dos indicadores do turismo nas ferramentas de gestão.

Share:

Breaking News!



A TCV está de parabéns...finalmente!
Parece que temos um novo sistema de rodapé. E ao que parece, o rodapedista de serviço for "reciclado".

Share:

Educação...ainda!


"Peça a peça, etapa a etapa, o novo curriculum ganhou forma. E, com ele, entrou nas escolas uma maior diversidade de opções pedagógicas, a tecnologia passou a fazer parte da aprendizagem em todas as disciplinas, a ênfase recaiu sobre sete competências transversais (gráfico 5) e a multidisciplinariedade foi promovida a obrigatória."

Share:

Pesquisar neste blogue

Categories

Popular Posts

Blog Archive

Visitors

Copyright © O Son varia com a L´Atitude | Powered by Blogger
Design by SimpleWpThemes | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com | Distributed By Blogger Templates20