quinta-feira, março 27, 2014

Mudjer!



bu encantu

sta scritu

nun gota di luz

um raiu…

di ternura frágil

má firmi na sangra um lagrima

más xintidu

mudjer…

fetu di um pó misticu

um fibra di alma azul

criadu na linha di tempu

bensuadu pa um vaga di amor


sexta-feira, março 21, 2014

Dúvida Existencial





Qual a diferença entre uma criança cantar "Tra Rabu Tra" e Billie Holiday?

quinta-feira, março 20, 2014

Adriel Pires - Powerful Mindset for Music







Um Caso de Sucesso!

Bridgewater State University, há mais de 10 anos a cooperar com Cabo Verde




Instituição americana de ensino superior que tem colaborado activamente com Cabo Verde desde 2002.

As relações entre Cabo Verde a Bridgewater State University (BSU) remontam a 2002, revela Harold Tavares, Director Assistente dos programas externos e envolvimento internacional da BSU residente em Cabo Verde. Em Outubro desse ano, o primeiro-ministro José Maria Neves encontrava-se de visita oficial aos EUA e deslocou-se à BSU.

Nesse mesmo ano, a universidade passou a contar com um novo presidente Dana Mohler-Faria, um descendente de cabo-verdianos, que se mantém em funções até hoje.

José Maria Neves terá solicitado aos dirigentes da BSU que a instituição prestasse apoio na criação da universidade pública em Cabo Verde – que em 2007 viria a ser inaugurada como Uni-CV. “Nesse âmbito fizemos a primeira visita a Cabo Verde em 2005”, conta Harold Tavares.

Além do envolvimento do processo de formação da Uni-CV, o representante da BSU explica que a instituição também apoiou Cabo Verde em projetos como Millennium Challenge Account. “Um professor da Bridgewater trabalhou no primeiro draft da proposta para o MCA”.

A partir de 2008, a BSU começou a com os programas de visitas de estudo dos estudantes a Cabo Verde, entre os quais constam alunos descendentes de cabo-verdianos.

“Todos os anos, desde 2008, há visitas de estudantes de Educação. Eles são futuros professores e a ideia é dar-lhes a conhecer a realidade de Cabo Verde”.

Muitos destes alunos depois vão trabalhar em comunidades onde grande parte da população é formada por descendentes de cabo-verdianos. Além de Cabo Verde, a BSU possui programas de intercâmbio com 35 países (dados site oficial).

Na mesma época, uma equipa da reitoria da Uni-CV deslocou-se a Bridgewater onde foi assinado um protocolo de parceria entres as duas instituições que envolve o intercâmbio de estudantes, tanto a nível de mestrado com bolsas de estudo para áreas específicas, principalmente educação, bem como um intercâmbio a curto prazo de quatro meses. Esta medida está enquadrada na estratégia da Uni-CV em capacitar a sua “massa docente” de modo a responder à demanda do mercado, garante Tavares.

Além da Uni-CV, a instituição americana assinou recentemente uma parceria, na área da liderança, com o Instituto Pedro Pires. Os alunos do IPP vão deslocar-se neste verão aos EUA para conhecer melhor a estrutura governativa americana, nomeadamente o Congresso Americano.

Os custos da estadia nos EUA são arcados pela BSU. Segundo Harold Tavares, trata-se de uma estratégia enquadrada nas actividades do centro de estudos cabo-verdianos existente na Bridgewater.

Entre outras instituições apoiadas pela BSU no país, está o jardim Barack Obama, localizado no bairro Alto da Glória (ver reportagem), o liceu Amílcar Cabral em Assomada e o liceu Teixeira de Sousa em São Filipe (Fogo). Aquando das visitas de estudo dos alunos norte-americanos instituições como as Aldeias SOS fazem parte do programa.

“Temos estado a servir como um ponto focal entre Cabo Verde e os EUA”, esclarece Harold Tavares, nomeadamente a nível das relações com outras instituições de ensino superior nos EUA.


Centro de estudos cabo-verdianos da BSU

Em Janeiro de 2014, surgiu na Bridgewater um Centro de Estudos Cabo-verdianos liderado por João Rosa, um professor de origem cabo-verdiana. Para o representante da BSU “trata-se de um passo em frente na parceria entre Cabo Verde e os EUA”.

A universidade está localizada numa região onde há uma grande concentração da comunidade cabo-verdiana existindo assim “a necessidade de existir um centro com dados onde qualquer pessoa pode encontrar informação e documentos sobre o país”. O centro será apresentado em Cabo Verde em Abril.

Escola Internacional Americana para Cabo Verde

“Achamos que estando em Cabo Verde temos muito a ganhar”. Por conseguinte, o maior projeto da Bridgewater State University no país é ter um espaço próprio no país. “Um centro, com salas e com todos os recursos necessários, onde professores da Bridgewater pudessem dar formação, por exemplo”. Um projeto a ser concretizado ainda em 2014.

A primeira Escola Internacional Americana é outra proposta em cima da mesa. A instituição vai abranger o ensino do pré-escolar ao secundário. Um espaço não só para a comunidade diplomática mas também para cabo-verdianos. “Esperamos que num futuro bem próximo” seja possível realizar esta ideia salienta o representante local da BSU.

O basquetebol é outra aposta da BSU, assim em Agosto de 2013 a BSU trouxe uma equipa que participou num jogo amigável com os Tubarões Martelo (selecção nacional).
Perfil

A Universidade de Bridgewater surgiu enquanto escola em 1840 e é uma instituição pública de ensino superior situada em Bridgewater, Massachusetts, Estados Unidos. É a segunda maior instituição do sistema de ensino superior a nível estadual a seguir à Universidade de Massachusetts. Actualmente a universidade é considerada como a "sede da formação de docentes na América".

19 de Março de 2014
Fonte: http://estudante.sapo.cv/artigos/artigo/bridgewater-state-university-h-365369.html

Nice!


Fonte: http://arrozcatum.blogspot.com/

Tony Park - Moral da estória




O turista australiano Tony Park, passou por Mindelo e mandou "umas bocas" sobre o que viu relativamente ao turismo e suas condições na Ilha.

O turista disse entre outras coisas:

1. "Há um pequeno supermercado, uma loja chinesa vendendo lixo importado e… isto é tudo o que se pode encontrar no capítulo das compras."

2. "Há um sentimento de apatia, como se ninguém se preocupasse com as centenas de turistas do navio cruzeiro passeando pela rua principal. Não que queira ser tratado como realeza mas, estranhamente, estou um pouco desapontado por não achar nenhuma loja ou restaurante a tentar nos impingir lembranças bregas ou cappuccinos superfacturados."

3. "Pedimos cappuccinos e nos serviram café instantâneo misturado com leite morno. "

A Nação ficou de cabelos em pé, profundamente incomodada com a petulância deste "domador de cangurus" como foi chamado, este "trivid", que num dia fez o raio x das condições na Ilha.

De seguida, fizemos chegar ao "domador de cangurus", um atestado de incompetência passado por um anónimo, deixando Tony saber que afinal Mindelo é sim "kel País", e que ele não foi capaz de descobrir os "brôcs de Mindel".

Tony, por sua vez, tocado com a missiva, respondeu pedindo "“Desculpas por qualquer ofensa, ... Desculpas, também, pelos erros factuais na história, que são todos meus."

Por fim, depois destas desculpas todas, tudo voltou ao que era. Ou seja, na mesma!

Até ao próximo Tony, que certamente já está a descer as escadas de um novo navio cruzeiro.

quarta-feira, março 19, 2014

Parquímetros


A sensação é que a questão do bloqueamento dos carros deve ir já ao Provedor da Justiça ou então ao Tribunal Constitucional. A última reportagem da RTC é clara. Ninguém sabe ou assume nada.


No entanto, não tenho dúvidas: deixar este autocolante no vidro dos carros é de uma falta de bom senso de todo o tamanho. Vamos reclamar AONDE?

Tu alli! Alguna Duda?


...


Gerou-se uma certa polémica pelo facto de Sara Alhinho ter ganho o prémio Artista Revelação do CVMA 2014.

Na minha modesta opinião, Sara mereceu o prémio pelo seguinte:

1. Pelo Talento
2. Por ter um bom timbre de voz
3. Por tocar bem a guitarra
4. e por ousar, ainda jovem, em compor as suas próprias músicas.

Por isso tudo, Sara Revela!

Se tiver "alguna duda" veja o vídeo...!

terça-feira, março 18, 2014

O Célebre Zé Pretu


José Maria dos Santos Fonseca, Zé Pretu, um ícone da Cidade. Vangloreia-se dizendo que é o melhor engraxate do País.

Pelas mãos dele, passaram os sapatos de celebridades como Aristides Pereira, Pedro Pires, Carlos Veiga, Naná, Alfredo Teixeira, Dico, Atelano, e inúmeras outras pessoas.

Zé, é uma memória viva dos bons tempos da Praça, e sobretudo dos tempos em os sapatos faziam fila em frente ao seu posto de trabalho.

Segundo ele, alguém deve ter amaldiçoado a Praça, o que tem vindo a afectar o seu ganha pão.

Uma das suas frases célebres é: "ti pomba di igreja bá se caminho..."

ECO Ipericentro


O que é o Ipericentro?

1. Laboratório de Cultura Digital
2. Comunidade de ativistas que promovem a divulgação de produtos e atividades de carácter cultural.

Veja o Facebook do Ipericento em https://www.facebook.com/ipericentro

Aonde: Praia - Praça Alexandre Albuquerque, 1B

sábado, março 15, 2014

Qual é o poema desta foto?


quinta-feira, março 13, 2014

CVMA - Entrevista com Gilyto


Uma entrevista necessária em que Gilyto, muma postura muito profissional e educada, procura esclarecer questões sobre o CVMA, o processo, as nomeações, o juri e as atitudes.

Mas também uma entrevista em que, a meu ver, a jornalista deu um show. Veja e tire suas conclusões.

Praia recebe Grito Rock 2014




A Cidade da Praia vai receber, este sábado, 15 de Março, Grito Rock Praia 2014, às 16 horas, na Pracinha de Escola Grande, no Plateau. O evento é gratuito e vai juntar várias bandas da Praia, do Mindelo e um DJ, para celebrar a música alternativa e independente, num intercâmbio musical.

Participam neste evento as bandas: Primitive, Lostway, Kolabeat, Ativa, NP5, Duff e The Visionaries, Azaias, Whispers of Doom e Dj Invisivel.

De acordo com uma nota enviada, o Grito Rock Praia 2014 acontece na sequência de uma parceria iniciada no ano passado, entre a rede brasileira Fora do Eixo e o Ipericentro, para a realização deste evento musical internacional em Cabo Verde.

“O evento irá juntar um conjunto de colectivos para dar corpo ao projecto e, trazer o Grito Rock a Cabo Verde, dando assim a continuidade a essa iniciativa com a realização do Grito Rock Praia 2014”, lê-se na nota.

A Produção do Grito Rock Praia 2014 é da Associação de Musica Alternativa de Cabo Verde (AMA.CV), uma parceria colaborativa entre a Banda Primitive, o produtor de eventos JoJoRoots, o Ipericentro e outros (da parte de Cabo Verde) e a Rede Fora do Eixo do Nordeste e Banana Seca Discos (da parte do Brasil), buscando parcerias com a inclusão do evento na programação do Carnaval 2014.

Grito Rock é considerado o maior festival integrado realizado desde de 2002, passando por todo o Brasil e, nos últimos anos, ganhou uma proporção mundial. Este ano chega à sua 12° edição, ligando 400 cidades de 40 países diferentes e realiza-se em simultâneo, um pouco por toda a parte, de 20 de Fevereiro até 30 de Março de 2014.

Fonte: http://www.expressodasilhas.sapo.cv/cultura/item/41650-praia-recebe-grito-rock-2014

quarta-feira, março 12, 2014

Slogan podia ser Tolerância Zero


Pessoalmente, não curti muito o slogan "Homem que é Homen não bate em Mulher".

Entendo que pode também induzir a várias outras leituras. Muitas outras, até pode reforçar o machismo e o poder masculino. Sobretudo no nosso contexto, quando é comum se ouvir "homi ke homi pa sai na largu...".
Pode-se perguntar, será que há homem que é mulher? E isto levaria de certeza a outras discussões...

O Slogan podia ser "Violência contra a Mulher - Tolerância Zero" e explicitar consequências.
Seria poderoso a meu ver, ouvir do Primeiro Ministro, do Líder Parlamentar do MPD, do Batchart, e demais participantes:

"Se bateres numa mulher pagas 30 dias de serviço voluntário numa escola, num hospital, ou numa comunidade", ou "vais direto para a prisão" ou "perdes a mão". Epa, estas sugestões, já estou a ver vão contra os direitos humanos. E estamos fritos de novo.

É hora de, para, além da verdade, haverconsequência. Chega de apenas verdades. Avancemos para a consequência que é o que falta.

Senão tudo isto, continua apenas como mais uma "boa" campanha.! Enfim, para ficarmos em 1º no ranking de violência contra a mulher.

Aproveito ainda para deixar uma nota que recebi de um profissional nesta àrea:

"...achei muito bem a forma como colocaste..pode produzir muito mais confusão na cabeça das pessoas e reduz o significado da VBG..me parece muito pobre a forma como abordaram...e a violência psicológica que é muito mais nefasta com graves sequelas? e a SEXUAL?. É tolerância zero mesmo...sabemos de figuras públicas que cometem VBG..é tudo uma palhaçada... e o pior q vão ser colocadas grandes outdoors"


terça-feira, março 11, 2014

O Caso Maria Reggae!



O fecho da reportagem foi extraordinário.
"Como podem ver tentamos contactar a pessoa em causa e a porta nem sequer se abriu..."


 

domingo, março 09, 2014

CVMA 2014


1. Melhor Produtor Musical - Toy Vieira com “Gratidão”

2. Melhor Instrumentista - Totinho com “Nha Homenagem”

3. Melhor Funaná - “Zé di Nhinha sem bo” – Zé Spanhol

4.Melhor Batuku/Kola Sanjon - “Ka bu tchora” – Dino d’Santiago

5. Melhor Morna - “Flor di Bila” – Neuza

6. Melhor Álbum Acústico - “Eva” – Dino d’Santiago

7. Melhor Videoclipe - “Bo tem Mel” – Nelson Freitas

8. Melhor Coladeira - “Djar Fogo” – Neuza

9. Artista Revelação - Sara Alhinho com “Mosaico”

10. Melhor Cabozouk/ Cabolove - “Bo tem Mel” – Nelson Freitas

11. Melhor Compositor - Tó Alves com “Simplicidade”

12. Melhor Voz Masculina - Tó Alves

13.Melhor Rap/Hip Hop - Chachi Carvalho com “Sabim” Remix

14. Melhor Álbum Electrónico - Nelson Freitas com “Elevate”

15.Melhor Reggae/ RnB/ House - “Cab Verde" Domu Afrika Dub Squad

16.  Melhor Animador de Comunicação Social -  Valdir Alves do Cabovídeo

17. Melhor DJ - DJ Nos Manera

18. Melhor Voz Feminina - Ceuzany

19. Música do Ano - “Bo tem Mel” – Nelson Freitas

20.    Melhor Artista em Palco - Batchart

21.    Melhor Banda ao Vivo - Gaita Ferro

22.    SAPO Award - Nelson Freitas

23. Prémio Acção Social - Batchart

24. Prémio Unitel T+ - Teresa Mascarenhas

25. Prémio Carreira - Celina Pereira    

sábado, março 08, 2014

Lupita´s Speech


"Thank you to the Academy for this incredible recognition. It doesn’t escape me for one moment that so much joy in my life is thanks to so much pain in someone else’s. And so I want to salute the spirit of Patsey for her guidance. And for Solomon, thank you for telling her story and your own." (At the 2014 Oscars)

sexta-feira, março 07, 2014

ECO a Leo o pequeno guerreiro!


Leonardo Almada Silva, ou “Leo”, como é conhecido, roubou os aplausos, os olhares e admiração dos adeptos, durante o intervalo de uma partida de basquetebol, entre as equipas do Seven e ABC, no Gimnodesportivo Vavá Duarte, na Praia. Com 10 anos, Leo ignora o facto de não ter um braço e trilha o seu próprio caminho para conquistar o seu lugar no basquetebol nacional, ou mesmo internacional.
A NAÇÃO presenciou o dito embate, “frio” entre Seven e ABC, no último sábado, 15, onde durante o intervalo, quando alguns adeptos pensavam em ir para as suas casas, cansados da frieza do jogo, uma equipa júnior do Amibasket entrou no recinto do Gimno, para entreter o público.
Logo à primeira, o grupo todo, constituído por meninos de 9 a 10 anos, conseguiu em uma jogada cativar o olhar dos adeptos. Ouvia-se no recinto, vários sussurros sobre a tática, a garra e o estilo dos meninos, até que um deles chamou atenção, o pequeno Leo.
Esperto e habilidoso, características atribuídas pelo público, Leo recebeu aplausos e assobios pela forma como recebeu a bola, fintou, e pela cesta que fez, durante o curto espaço do intervalo do jogo.
 Segundo o técnico Francisco Romero, o facto de ter um braço (o direito), nunca foi uma barreira para Leo.“Ele, à semelhança do Ivan Almeida e de outros atletas do Amibasket, entrou na escola com sete anos, para praticar futebol e hoje é um dos mais fascinados pelo basquetebol. O seu grupo treina seis vezes por semana, e Leo é dedicado, tem garra, sabe o que quer e corre atrás dos seus sonhos como gente grande”, diz Romero.
Romero não gosta de elogiar apenas um elemento da sua equipa, pois, segundo diz, todos são importantes e esforçados, porém, reconhece: “Em trinta anos como técnico, nunca tinha visto uma criança com tanto nível de superação. Ele é um exemplo de superação e vai conseguir destacar sem problema, nos escalões maiores”.
Bom aluno
Assim como todos os atletas do Amibasket, Leo cumpre “à risca” uma das exigências da escola, a de “ter boas notas para poderem praticar o desporto que amam”. “Ele estuda quinta classe no Ensino Básico, sempre vem mostrar as suas notas, avisa que não vai poder treinar porque tem de estudar para os testes e é um bom aluno. Aliás, todos são bons alunos e bons atletas”.
Segundo o técnico, Leo tem desenvolvido muitas qualidades sem pensar na deficiência ou nas suas limitações e tem conseguido gerir toda a actividade do basquetebol, isso desde os três anos, altura em que entrou na escola.
“O Leo conseguiu, em parceria com os seus colegas, concretizar todos os objetivos traçados pelo treinador. Acredito que teremos bons atletas no seu escalão e ele, com certeza, será um deles”, reforça. 
Entretanto, apesar de se destacar entre os seus companheiros, Leonardo não é o primeiro atleta com alguma deficiência que já passou pela escola. A Amibasket já acolheu alunos com necessidade educativas especiais que hoje são federados e jogam em diferentes e conhecidas equipas da capital. 

Fonte: ANAÇÃO