Nkrê un Son más Son...

terça-feira, julho 16, 2013

Do Estado Laico à República de Santiago


Entendo que um dos argumentos para justificar a regionalização (questão de modelo administrativo que vale sim discutir) foi a criação do conceito República de Santiago e que vem sendo martelado semana sim semana não.
Fica aqui um bom texto sobre o Estado Laico em Cabo Verde e que no fim faz o desvio estratégico para o assunto que realmente interessava. Cristalizar a ideia da República de Santiago.

Será que este "mal republicano" não existiu em Cabo Verde antes e as dores dos outros foram sentidas no mais profundo silêncio?

..........

"Primeiro: a Religião na República de Santiago desempenha um papel central na vida social. Os símbolos religiosos e os rituais estão muitas vezes integrados na cultura material e artística da sociedade: na música, na pintura ou na escultura artesanal, na dança bem como na arte de contar histórias e na literatura. Segundo: as circunstâncias materiais da igreja católica encontram-se bem longe de serem consideradas precárias, pelo que o aposentado Bispo Dom Paulino Évora reúne todas as condições para ser contemplado com uma pensão digna por parte do Estado do Vaticano, que ele serviu com fervor durante dezenas de anos, muitos dos quais em Angola, em condições difíceis. Cabo Verde tem sido para ele um oásis de paz, o que em si representa uma pensão espiritual não inelegível.

O que salta aos olhos nesta opinião não é somente uma visão desfocada e a adulteração dos princípios estruturantes da laicidade do nosso Estado, mas também uma necessidade de análise espectral aos fenómenos do poder e do funcionamento das nossas instituições, políticas e sociais. Aqueles que hoje vêm à praça pública, a mando dos seus partidos, tentar parar a ideia da regionalização, que está fazendo o seu caminho, não tardarão a dar-se conta de que nela está o único antídoto da crise de regime e da crise social, que nos goitam já. Como o caso do Bispo e do pensionista aqui versado, a urgência da regionalização é demasiado visível para ser subalternizada." Onésimo Silveira em Asemana (
http://asemana.publ.cv/spip.php?article89934&ak=1)08/07/2013

Sem comentários:

Follow Us @soratemplates