Dia da Cultura - Soltas sobre a Gala!

2:53 da tarde Angelo Barbosa 1 Comments



1. O espectáculo começou com breve atraso e sala ficou pequena para tanta gente

2. não entendi a necessidade do discurso (aquele habitual)de quase meia hora do Ministro da Cultura.

3. a entrega de prémios foi feita por ministros. Para quê? Será que o acto torna-se mais importante?

4. Cada vez mais fica-se com a impressão de que em "actos tidos como importantes" a lingua deve ser o português. Aqui acho que tem-se pisado sempre na mesma bola.
Fala-se aquele português chique durante a gala toda e logo a seguir vem a música e derrama solto o criolo...e ficamos todos aliviados.

5. pessoalmente acho pouco inteligente dar um BANJO a um jovem que ganhou na modalidade de instrumento = violão. Ou então dar a uma jovem que ganhou na modalidade de interprete um...VIOLINO. Enfim, apenas uma falta de pontaria.

6. Hernani, Princesito, Zeca, Teté e Isa fizeram uma excelente apresentação apesar do som. Foi diverso o reportório. Albertino? Para quando uma única música nova na sua lista de músicas?

7. Bana...o grande e o maior. A morna, permanece e há de permancer com esta voz e sobretudo esta forma única de a levar. A plateia até chorou com mais esta grande noite do Bana.

8. Depois do Bana, não havia ou não devia haver lugar para mais nenhuma voz. Era palmas e apenas palmas. Não havia espaço para "nôs amizadi ê doci"...Importa saber que há momentos altos.

9. Uma boa iniciativa e levou muita gente ao auditório.

10. e...Xiomara ganhou o prémio de melhor intérprete!

You Might Also Like

1 comments:

Por essa e por outras que já não vou a esses certames.

Pena mesmo foi não ver a tua linda sobrinha, que deve ter merecido mesmo a prémio. E pena não ter visto a pleiade de luxo de músicos que actuaram.

Mas já não posso com Manuel Veiga e, pior, com José Maria Neves, com o mesmo discurso da treta sobre a Cultura.

Aliás, já não posso com toda uma corrente de discurso. E pelos visto não vai ser na minha geração que as coisas hão de mudar.

A minha ausência foi um protesto, mesmo que esse protesto não aqueça e nem arrefeça o globo.

(OBS: Gostei do "lifting facial" do teu blog)