Nkrê un Son más Son...

terça-feira, março 25, 2008

3 Dúvidas Existenciais!



1. O que é a "Lusofonia"?

2. Nós somos "lusófonos"?

3. Como é que um tal Trio de Ataque tem a ver com a Lusofonia?

4 comentários:

Anónimo disse...

ahahahahahahahahahahahhahahahahahahahahahahhahahahahahahahhaahhahahahahahahahahah...e continuo ahaha...

João Branco disse...

Quando houver livre circulação para ambos os lados, falaremos sobre isso. Até agora, a CPLP é apenas um pretexto para uns senhores se encontrarem e falarem para a comunicaçao social algumas banalidades.

Mas em relação ao trio de ataque, não tem nada a ver com a lusofonia mas com outro facto socialmente mais do que comprovado: a paixao com que o povo de Cabo Verde segue o futebol em Portugal. Nunca mais me esqueço da noite em que Cabo Verde ganhou a Taça Amilcar Cabral no mesmo dia em que o Sporting de Portugal conseguia ser campeão em Portugal depois de 18 anos de jejum. Vendo quem festejava o que, quase que ninguém diria que estavamos em CV e que a selecção nacional tinha acabado de conseguir o maior feito desportivo de sempre! Enfim...

Alex disse...

1. O que é a "Lusofonia"?
É o que quisermos que ela seja. Mas só será alguma coisa, NOSSA também, se estivermos lá presentes, levando o que tivermos para dar, mas sobretudo, generosa, humilde, e corajosamente recebendo tudo o que tivermos que receber. Ela é uma casa em difícil construção. Mas, ou será uma casa comum, ou não será nada.

2. Nós somos "lusófonos"?
Somos! Sem qq complexo, ou medo, da palavra LUSO. Mas (há sempre um mas), só o seremos se soubermos o que isso é, ou se soubermos O QUE QUEREMOS QUE ELE SEJA. Neste preciso momento sinto-me, p.ex., mais Ibérico do que Lusófono. Mas com muita pena minha, acredita!

3. Como é que um tal Trio de Ataque tem a ver com a Lusofonia?
Este é o tipo de questões que nos afasta das outras duas, que são as únicas que, neste teu conjunto de questões, merecem resposta, e reflexão. Misturar este fait-divers com algo muito mais sério, é tentar diminuir, com um mau exemplo, uma boa questão. E o mal, é que temos um enorme déficit de discussão destes temas. Por falta de hábito. Porque ela é incómoda. Por...
Mas não fungindo à pergunta provocatória, dir-te-ei: Pergunta a uma cidadão anónimo, porque é que ele GOSTA/GOSTOU de ver e ouvir o "Trio de Ataque", e verás na resposta luzir muita Lusofonia (e ignorância, e alienação, e... também, claro!)
Dois ou tres exemplos outros: a música do Mário Lúcio (este dois últimos álbuns), a música do Boy G Mendes, do Caetano Veloso, da Marisa, têm tudo a ver com o que deveria ser o verdadeiro espírito da Lusofonia. Eles atravessam esse território espaço-imaginário da Lusofonia, estravazam as suas margens, e vão mais longe ainda. ser Lusófono, neste aspecto, é ser-se aberto ao que somos, ao que fomos, e alimentar o sonho de ser ainda algo mais, de ir mais longe ainda. Ser-se Lusófono é, assim, derrotar a própria ideia de uma Lusofonia menor, estreita e acantonada, a uma noção lusófona que só vê na palavra-em-si o ferrete do seu prefixo, ficando nela fixo e crucificado. Ser alguma coisa, é ser essa coisa (movimento centrípeto), e tudo o que ela potencia (movimento cetrífugo). No fundo, ser(se) algo, é negar esse algo, no que nele a diminui e limita, é negar a sua estrita estreiteza. Só se é, sendo-se PLURAL. Ser-se Lusófono é habitar todas as possibilidades que o universo da Lusofonia possibilita, é o próprio da CRIOULIDADE, o seu lado mais espiritual e elevado. Definitivamente sou um romântico.
Não sei se respondi!
Abç's
ZCunha

Sanpadjud disse...

Olha João: o que sei é que é um mercado imenso. A diferença entre menos de meio milhão de pessoas e milhões delas. O que se faz ou não se faz para aproveitar as oportunidades que esse mercado oferece é com cada um...
O que sei é que é um património comum que não se limita aos países da CPLP... deixou raízes no contorno de todo este continente. Na cultura, no modo de ser, no modo de estar mas calo-me que o comentador precedente já disse tudo e bem.

Follow Us @soratemplates