quarta-feira, fevereiro 20, 2008

Diálogo à PDM!

Posted by with 3 comments

Perguntei a um cidadão a razão porque fazia xixi em plena luz dia no plateau, e perto de instituições da Républica, residencias de famílias, respondeu-me:


"nsta expressa nha liberdade"!


Isto é realmente de loucos...aceito ajuda de todos para melhor entender este CDM (cidadão de desenvolvimento médio).
Reacções:

3 comentários:

Alex disse...

CULPAS NO CARTÓRIO
Com a devida vénia, cá vai.
O brioso e conspícuo CDM aí, é alguém que eu também fui. Não sei que idade terá (se rapasinhu, si ómi grandi), mas quando eu também mijava pelas esquinas (então rapasinhu), fazia-o como prova de SALBAXARIA (pura e dura), e BALENTEZA (da parva, claro), e não por falta de educação, que é outra coisa. Espero que estejas a falar de um miúdo, Djinho. Se for makaku bedju é outra 'estória'.
O PROBLEMA é este. É claro que o Sr. Cunha de hoje reprova; é claro que o Sr. Cunha condena; é claro que o Sr. que hoje sou, também censura; e se calhar até daria uns conselhos (no meu tempo levava uma boas kakeiradas na txada cabésa, e se lá em casa se soubesse era uma tareia pela certa).
O DILEMA Djinho, é que lá no fundo, lá no sótão da alma, lá nos subúrbios dos afectos, está um puto traquinas a chamar-me HIPÓCRITA. Sinceramente, não sei que te diga. Talvez chamasse a atenção ao sujeito, mas não evitaria o efeito colateral de um espinho infantil cravado na consciência, um nó górdio no gasganete das memórias. Que queres que te diga. COISAS DE PUTO. Há de crescer. E, como eu, quando ele um dia se lembrar do episódio vai rir-se às bandeiras despregadas de si próprio. Quem nunca fez nem nunca disse parvoices, que atire a primeira pedra!! Uma coisa te digo também. No meu tempo não era capaz de dar resposta tão conspícuosófica. O gajo até sabe que existe uma coisa que se chama liberdade. Está apenas a aprender a usá-la. Ás vezes maltrata-a, por ignorância, por falta de jeito, por falta de hábito. O gajo, como eu, também deve ter educação em casa. Mas apanhado por ti, assim de surpresa, com as vergonhas expostas à curiosidade alheia, a meio de dar alívio a uma aflição incontinente (E quem nuca teve uma? Que se mije todo agora mesmo!) estavas à espera de quê, senão de um pavloviano ataque de BASOFARIA e ARROGÂNCIA típicos da juventude irrequieta (Lembro-me tão bem! Quem mija mais longe? Quem mija mais alto? Quem... Que saudades!)? A vida é mesmo assim. Aprender a lição da LIBERDADE, e aprender a exprimi-la nem sempre vem acompanhado de 'Livro de Instruções'. Por vezes temos de aprender a cartilha à nossa custa, mesmo fazendo figura de parvos. Mas isso é juizo sempre à posteriori.
Como sabes, na vida, nem tudo é para ser levado muito a sério, nem muito à séria. Depende do momento, das circunstâncias, e de tantas coisas que nos escapam.
Tudo isto sem desculpabilizar ou tolerar o caso, tão pouco condenar o juizo implícito na tua perplexidade. Opto, quiçá cumplicemente, por compreender. Tentar perceber, com um sorriso maroto nos lábios. O que é que queres?! Culpas antigas!
Não sei se fui de grande ajuda, mas...

Acredita, com muito respeito, e grande afecto.
José E. Cunha

Alex disse...

Desculpa voltar à carga.
No Blog do Abraão, encontras o link CHARLES BUKOWSKI (http://bukowski.net/) que, talvez me ajude a explicar melhor o que eu disse ainda há pouco.
Para lá do facto, muito provável, do alcoolatra Charles B. não se limitar a aplaudir o 'teu cidadão mijão', ele, em vez de o questionar, limitar-se-ía a aproveitar alarvemente a boleia, e sem pedir licença, lá vai disto!
O meu propósito não é falar do poeta, nem desse "estado de graça" que alguns beneficiam por sorte, ou dom, de nunca terem deixado a infância. Viver em estado de infância perpétua, mais os seus tiques, e efeitos secundários (alguns nada bonitos de ver, como se vê) é bênção e maldição a um tempo. Do que me lembrei, foi dos pequenos Bukowski's, Sade's, Bakunine's, etc. que habitam quase todas as crianças, e todas as infâncias, e que a educação/formação/regras/sociedade nos ajudam, entenda-se OBRIGAM, a açaimar, enjaular, matar, e enterrar, nesse cemitário de instintos que cada um de nós é. A caixa de Pandorra afinal somos nós, já não há segredo nisso. O que a socialização faz, pelas suas muitas formas de fazer, é uma espécie de calculados curto-circuitos, apagões, blackout's, ou melhor, produzem selectivamente em nós o que poderíamos, e se calhar deveríamos com toda a propriedade, designar por "efeito Electra" em algumas zonas da nossa consciência. Aquelas 'zonas perigosas' que estão tão pròximas dos limites do INconsciente, do IRracional, que, nem sempre, as fronteiras são claras, por vezes mesmo elas confundem-se, ou somos nós que que nelas nos con+FUNDIMOS. Por vezes é um caminho sem regresso, e alguns por lá ficam. O "teu cidadão mijão", por medo, reagiu armado em rufião da liberdade. Ao re+agir, sobre+agiu felinamente, não fazendo mais do que despertar o seu primitivo-instinto-Bukowskiano, coisa que nem ele sabia que tinha em si escondido/enjaulado.
Afinal, os instintos não se matam. E o "cavalheiro" limitou-se a dizer-te por outras palavras "Vai à merda!", ou mais delicadamente "Mete-te na tua vida!", ou mais arrogante, e desconcertantemente, com fez "N'sta spresa nha liberdadi!".
E viva a 'LIBERDADE LIVRE', por que ela tolera todas as topadas, todas as calinadas, todas a traições, todos os abusos, todos os desaforos, todos os erros, todos os insultos, na caminhada rumo à verdadeira liberdade. Aquela que não é redutivel a nenhuma forma de expressão particular, ou individual, mas também não a dispensa. O que o sujeito deste caso se esqueceu, é que o direito individual de se exprimir, que ele reivindica, e lhe assiste, não é um absoluto em si mesmo, mas está íntima e proporcionalmente ligado ao dever cívico que o vincula perante os outros.
Mas sabemos também como o medo distorce os nossos comportamentos, fazendo parecer arrogância e valentia, o que de facto é só medo e humilhação.
Com esta me vou.
+1Ab

Anónimo disse...

Idade? esta variável é interessante...

tem criancinha, criança, antes de teenager, jovem, rapaz, rapaz barba raspadu, adulto, homi fetu, idoso, bedju...ou seja tem di tudo.

i ten kes gó ki ta dixi di ses Jeep ta xixi em plena via, ó nton ta bota di ses carro pa fora casca banana, plastico, sobras diversos enquanto es ta da um volta relax ku ses familia...
ta continua ta ser "expressa liberdadi" anyways.

Djinho