terça-feira, julho 31, 2007

Eco a "Santiagu di Meu"!


Imagino quantas viagens serão necessárias para se falar de Santiago. Quantas viagens nesse interior de se ser caboverdiano. Santiago é ilha, mas ilha continente, ilha mãe, ilha âncora, ilha santa por ser das àguas. Viajar pela ilha de santiagu é como percorer as rugas de uma pele já envelhecida, não pelo tempo mas pela memória.
Como quem procura reencontrar-se com as esquinas do passado, percorro semanalmente a estrada que liga cidade da Praia a Assomada, insisto em refazer, em redesenhar a mesma estrada que outros procuram diariamente como canal de fuga, de destino, de evasão, de exorcisação dessa natureza entranhada de se ser badiu de for a.
Como um velho saudoso, reclamo a cada metro da nova estrada alcatroada os odores, as imagens, a natureza que se perdeu em tão pouco tempo. Da velha estrada somente restam as montanhas como testemunhas. As linhas rectas pintadas no alcatrão apagaram os restos do tempo lento em que as viagens se faziam por obrigação da necessidade. Praia, cidade capital, com sua praça grande e sua fonte, seus palácios e consultórios, Praia que tem tanto mar, barcos enormes ancorados no seu porto, gente agitada em apressadas correrias. Praia e sua miúdas mais bonitas e atrevidas que todas as demais, Praia e suas gentes com estranhas manias de grandeza, eu não queria Praia para mim. Praia esse sitio fascinate, onde o poder e as grandezas se escondem em edificios e grande automóveis simbolos da nossa modernidade. Praia, no meu imaginário de criança era o estrangeiro, essa lugar onde não se planta milho, nem feijão, onde nenhuma velha vende cancan ou ciré. Praia é bonita, mas eu, eu tenho sempre que voltar para o interior, para o planalto central, de onde se vê com clareza o destino badiu espelhado no monte Pico de Antónia.

No meu olhar de criança as fronteiras do mundo começavam no limite dos contornos do Monte Pico de Antónia. Quantas vezes, sentado nas exactas medidas do Pilon di nha Rainha vi o mundo inteiro: Assomada lá em baixo, a igreja pintada a verde e branco, o Pinheiro da praça Central, o vale de Fonte Lima ao fundo e claro o Liceu, nosso orgulho e esperança. Nesse tempo de inocência, em que uma viajem a Praia somente se justificava por motivo de visita ao médico dos olhos, o liceu de Assomada, a mim me perecia um monumento sagrado, um templo onde só sábios poderiam habitar.

Repito-me eu sei, mas para mim é sempre urgente entrar numa hiace e percorrer o tempo exacto até Assomada, chegar a São Domingos, passar por Orgãos, Saõ jorge, Picos, conter a respiração, Cruz di Picos e ver Assomada lá no alto. Cinzenta, estranha, triste, fria, mas Assomada, a cidade do planalto Central.

Estranho, sou um ilheu plantado longe do mar e das erosões das ondas. Sou um ilheu, mas naci num planalto. Toda a minha infancia foi povoada por um mar distante, onde viviam estranhas criaturas, de onde aquelas mulheres do mercado da vila traziam os peixes e o pregão: “es pexe frescu, es pexe frescu”. O mercado de Assomada trazia para mim o mar e todo o seu mistério. Ver a colecção de peixes e de cores naquelas criaturas trazidas do mar imenso, foi sempre uma revelação. Como poderia o mar ser tão misterioso, pensava eu. Sou um ilhéu, mas nasci num cantinho onde não se vê o mar. Talvés por isso, gosto mais do mercado nos dias em que é invadida pelo cheiro a pote, binde, colarau vermelho, pimenta, malagueta, a tabaco e terra. Quando é Quarta feira ou Sabado e é dia de feira nha Santa Catarina.

Cada regresso à minha Assomada é um tempo de nostalgias, momentos em que me apercebo que no meu tempo tudo passa demasiado depressa. Ainda ontem percorria as ruas da vila, à procura de tampas de cervejas e refrigerantes para fazer a minha equipa de tampinhas para o campeonato no black street, hoje a vila já é cidade e a igreja perdeu suas cores branco e verde para ganhar finos mozaicos sem cor nem vida, o velho edificio da Camara Municipal com o seu chão em madeira e velhas janelas cinzentas hoje é um amplo palácio onde estreitos corredores ignoram os mistérios do tempo.

Ma s o tempo não pensa e passa sem se dar conta do como muda o olhar. Talvés o meu. Mas o que nunca muda é o encanto e o fascínio de cada viajem ao interior da minha ilha, de Santiago. Pela janela da hiace imagens, mensagens, hinos de imponência e sedução, montanhas e vales transitam como paisagens de estranhos quadros realistas que nunca se deixam fixar. Santiago, esse poema de montanhas e vales.

Fonte: alamarginal.blogspot.com
Texto de Abraão Vicente.

sexta-feira, julho 27, 2007

A Job Done for us?



Capeverdean Creolo!

quinta-feira, julho 26, 2007

A Bateria de Fotos do "Houss"!


Segui a dica do post DE PEQUENO......... da Vera Lúcia.

Fui conferir e fiz uma grande descoberta. Imagens incriveis captadas pelo Raul "Houss".

Escondendo o ouro né garoto!

Exposição já!

segunda-feira, julho 23, 2007

Márcio Rosa - Un novo criolo e muito mais ritmo!


Gosto deste brasileiro, também já criolo assim como Ricardo de Deus.
Rosa, chegou ao nosso meio pelas mãos de Gamal.
Com ele chegou também mais ritmo e muita competência na bateria. Aproveitemos bem este excelente músico e gente fina que é o Rosa.

terça-feira, julho 10, 2007

Arte, Algebra e Música...



" ...a arte será alguma coisa situada entre a álgebra e a música..."
Gustave Flaubert

quarta-feira, julho 04, 2007

Adeus letra C!

Son di Santiagu recebi es puema di Marcianu Moreira nes momentu di celebrason di independencia...Nta ta agradeci bu participason nes blog!




Si bo e Ateniensi
purgunta Kaka
nau, e Rumanu
teima Seza

Di pes djuntu
tudu jura
ma na Sidadi Velha
di boka raganhadu
senpri pa ladu direitu
diretamenti di Lisboa
bu dizenbarka

Pertu di bo
pasu a pasu
Kaka ku Seza, Xepa ku Txuka i otus mininu
diskunfiadu si
txiga

Ku spiritu di anju
es txiga
cha che chi cho chu
es staba ta kanta
xa xe xi xo xu
era rifron

Un truvon
di bu bokona spanta-s:
da César kel ki e di César!
i di sel e kumanda:
kuandu cha ta skrebedu xa
sima chato ta toma xarope
xe ta labradu che
sima xeque sen cheque
chi ta rabiskadu xi
sima chiça ti ki kai xícara
xo ta santadu cho
sima xogum ki bira chofer
chu ta letradu xu
sima chulé di xucro

Un palmatoria
bu abokanha-s
trokadu centro pa sentro
di etymon centru ben kel la
kel li ka ben di Roma ki fari di latin

Un borduada
bu morde-s
pabia sinto pa cinto
primeru e pa kurason
ultimu pa kalsa

Ti kai - duedjus na kaskadju
bu sopra-s
pa es podi ten tenpu dikora
ma conselho i concelho
ultimu ten Autoridadi
i kel otu e so pa laraxadus

Oredjas buru
na di ses
ku denti bu prega
tudu pamodi maça pa massa
kel li e pa Italianus
kel la pa burus

Oredja buru go nau!
es grita fepu
ku fantasma etimolujia
(moradu la pa ladu Roma nhu Sezar
nen retratu ka manda)
nos mimoria e ka kontratadu

Muitu menus mimorias
di kes ku nasimentu markadu na Nosu Sinhor Futuru
i di kes fora di luzofunia diasporizadu
- nen tradison di uza alfabetu Don Dinis Pueta ka ten

Nos mimoria
e pa kimika ku orason
primeru ta da-nu grogu
sigundu, lugar na seu

Dentu kel un spertinhu
(António de Paula Brito
nhu padri santa-l)
djata
minis:
nu mara-l bokona
ku Serpenti di Afrika S
nu ntrega-l
Kapiton di Europa K
rumu Lisboa
na ragas di si primu Q
afinal,
kabesa di Afrika ku Europa nu erda

I ku djatu Xepa ku Txuka rispondi:
bu skesi si maridu CH i fidju TCH
kabesa dentu mar nu manda-s
pa es ka sukuta
ma nes kutelu so ta kantadu
xa xe xi xo xu, sima xutu na ku
di xatu ku si xaropi
di xeki sen xeki
di xisa kel xikra
di xogun ki bira xofer
di xukru ku xule
i txa txe txi txo txu, di txupa limon
na txeia txabeta nos kretxeu
na txoru matxikadu ses skrita kalapitxadu

90 i tal anu dipos
Kulokiu di Mindelu riforsa:
talves so pa skrebi si barbitxi
sinon, nen rabu Ç ka ta fika

15 anu dipos
Grupu di Padronizason prupoi:
C e pa bai!
ku primu, maridu i fidju
ku rabu tanbe
i fantasma etimolujia ta kunpanha-s

Karlus Magnu fla Amen
dipos di 4 anu ta matuta
i Benson Son Juse ki da
oranu pasadu, dipos di 7 anu ta sumara

N ta sana-bu oji
22 sol dipos di dia di mintira
i di Verdadi 2007 anu dipos
na Sentenariu nhu Baltas i Jerason Finka Pe na Tera
bespa Sakramentu bu partida
sakedu na txon di portu Sidadi Velha
Bersu Di Nos Tudu

Di Marsianu nha Ida padri Nikulau Ferera

terça-feira, julho 03, 2007

Cultura em Debate?

Son di Santiagu seguiu com interesse as "movimentações culturais" envolvendo dois homens de cultura pelos quais tenho admiração.
Muita informação e elementos de interesse estão subjacentes a esta discussão.

Por isso convidava a todos a seguirem a...




Carta Aberta a José Luís Hopffer Almada de Filinto Elisio e a











CARTA ABERTA AO MEU CONFRADE FILINTO ELÍSIO de José Luis Hopffer









Nela Barbosa na Capeverdean Art in Pawtucket - USA


Thursday, June 14, 2007 - CVMusicWorld.com

By: Nuria Chantre
CVMusicWorld.com Editor
Other Articles>>


On Friday, June 22, 2007, CACD, or the Capeverdean American Community Development, will open its doors to a week-long show intended to celebrate Capeverdean Art in Pawtucket, RI.

The expo, running under the theme "A people's culture," will feature exclusive artworks by acrylic artist Manuela "Nela" Barbosa, who will make the trip from Cape Verde for the event.

The show, which is meant to celebrate Capeverdean Heritage month, will kick off with a free and formal Gala event open to the public, scheduled to begin at 6 PM, and which will be complemented with Sosabe wine. The evening will then culminate into a night of music and dance.

The art exhibit is scheduled to continue through June 30th, 2007 and will be open 12-6PM on weekdays and 12-8PM on weekends.

Born in Santiago, Cape Verde, Nela has displayed her artworks at cultural institutions and international airports throughout the archipelago.

...........

Força Nela!