quarta-feira, junho 13, 2007

Equações do Criolo - A Lingua!

Posted by with 3 comments

Ouvi há dias, de uma mestranda em Portugal esta: " Por favor não oficializem o criolo".
Na mesma sequência ouvi que um famoso intelectual caboverdiano radicado em terras lusas teria tido um inicio de AVC ao saber que o criolo pode vir ser considerado como lingua da nação criola.

Não sou especialista nesta matéria, mas gostaria de deixar aqui três desenhos que chamei de equações do Criolo.
As três a meu ver vão de encontro a determinados tipos de interesses e significam

coisas diferentes para Cabo Verde.

Deixo a cada um a interpretação das variáveis. Prometo voltar a este post!

Foto: Carla Martin in albatroberdiano

Equação 1.























Equação 2.





















Equação 3.
Reacções:

3 comentários:

Mito disse...

DIGLOSSIA = linga intchôde.

CVmente

Mito

Cesar Schofield Cardoso disse...

Que intelectuais são esses?

Enquanto não se encarar a nossa língua como um acto de libertação cultural, estaremos sempre a nos sentir menores em relação ao português. Reparem que português é sinónimo de estudos, boa-educação, conhecimento, e criolo é sinónimo de povaréu, paródia, informalidade, etc. Reparem que um punhado de caboverdianos, no corredor dos serviços falam da vida em crioulo, tranformando-se logo em falantes de português ao entrarem numa reunião.

Sobre este assunto, não se trata de funcionalidade. Como pode não ser funcional uma língua em que nos amamos, em que discutimos altos assuntos na rua, que cantámos, que somos alegres e somos tristes!? Aqui trata-se de valorização. Assim como a Tabanka era proibida, por ser considerada uma afronta ao catolicismo, assim há essas descargas em relação ao crioulo, porque muitos o vêm como uma atentado português. Eu defendo o bilinguismo; o português é um instrumento valioso que sabemos usar, mas não passa disso, um instrumento. O que nos distingue como povo é o facto de termos uma cultura claramente identificada. E todo o intelectual que se preze sabe que a língua é, senão a mais importante, das mais importantes componentes de uma cultura.

Sejamos de verdade intelectuais, pensemos nas coisas e deixemos de tretas.

paubrasil disse...

Creio que, para além de teres revelado o nome desta Senhora, também deverias ter melhor situado o contexto em que ela pronunciou esta frase, no caso, durante o encontro da associação das universidades de língua portugesa, que, aliás, deve ter custado muito dinheiro aos cofres do Estado de Cabo Verde, como de geral estes eventos que de concreto pouco resultam, portanto, esta Senhora, à mesa dos debates, e já durante a fase de perguntas, mesmo sem ter sido questionada de absolutamente nada, talvez porque a sua fala tivesse passado desapercebida, resolveu se posicionar sobre uma questão por mim levantada, questão essa que tenho manifestado em espaços onde o debate acerca da cultura vem á tona, qual seja: a de que a Uni-CV, na sua qualidade de Instituição articulada ao saber e, necessariamente, a produção e democratização do conhecimento, deve assumir para si a responsabilidade de defender o CRIOLO, tornando-a Língua Oficial da Instituição, pelo que esta Senhora declarou que o Criolo não é uma língua científica e que o Criolo nunca deveria ser oficilizado, no que, a seu modo, revelou um profundo desconhecimento da realidade de seu próprio país, para não falar dos danos que isto tem causado a Cabo Verde.

FRANCISCO WEYL