Ba...Lanço e Ultimo de 2006!

1:14 da manhã Angelo Barbosa 1 Comments

É realmente é dificil fazer o balanço de 2006 seguindo um pouco a lógica da "linha editorial" do Son di Santiagu.

Aproveito para deixar algumas notas e as opiniões soltas que dei no programa Secção da Música de Stieve Andrade ontem (30).

O. Lancei o Trás di Son. Depois de 3 anos a matutar finalmente saiu em Março. Agradeço a todos os músicos e pessoal que tem consumido as músicas.

1. Son di Santiagu fez um ano, fiz uma centena de posts e até este minuto 14.443 pessoas visitaram o blog.

2. Os blogs em CV marcam uma presença importante. Por isso aproveito para mandar aquela força a todos e desejar ainda mais inspiração e conteudos em 2007. É que muito "boa gente" anda a sondar a bloggsfera.

3. Alguns poucos concertos aconteceram mas marcaram o momento.
Princesito e Vadu no quintal da música, Ricardo no CCP e CCF, Kim Alves no Auditorio, Maria de Barros no Auditorio, Mario Lucio no Farol e Auditório.

4. Duka, Magra, Zezé e Zeca Nha Reinalda apareceram em grande no festival de Assomada. A volta das pessoas que lembram bons tempos de música é necessária.

5. A SOCA ainda "curte" uma ausência que até incomoda. Para quando esta aparição também necessária? É que minhas músicas estão registadas na "metrópole" e o pessoal da SPA tem feito um atendimento triste.

6. Calú Gonçalves lança um livro de grande interesse para a música de CV. Todos a ler Kab Verde Band.

7. Se não repararam aqui vai. Nhelas Spencer, Kaká Barbosa, Betu, Antero Simas, Tibau, Kim di Santiagu são os compositores que forneceram música para alguns dos bons discos de 2006.

8. Escolhi duas músicas (as que tocam no meu ouvido) como as melhores de 2006.
2002 de Ricardo de Deus e Kesmyn Cristal de Kim Alves. Procure ouvir estes temas...

9. Em Setembro (?) Paulino Vieira deu um susto à musica caboverdiana. Espero que tudo esteja já ultrapassado. Muita saúde a este mestre do son e grande amigo.

10. O funaná/batuco continuou a marcar presença com Pó di terra, Tchuni Preta, Ferro Gaita e batucaderas.

11. Quintal da Musica, CCF e CCP prestam um serviço decente àqueles que precisam de espaço para fazerem arte acontecer. Um obrigado especial.

12. O preço continua ainda proibitivo no Auditório Nacional. E pior. Parece não haver diálogo possível para procura de soluções.

13. Discos recomendáveis: Oh Mãe mais Justa (Tó Alves), Fragmentos (Ricardo de Deus), Dança das Ilhas (Kim Alves), Gabriela, Vamar (?), Hernâni (?), Gamal (?), Nhara Santiagu (Nhonho Hopffer) .

14. Casa da Cultura surge como o programa de televisão made em CV que entrou e permaneceu em todas as casas das ilhas.
É coisa para dizer que Nta Mora Li passou a ser a expressão mais utilizada e bateu slogans de instituições poderosas como “mais perto de si”, “para ir mais longe”, “fala fala coração” ou ainda a concorrente de peso “vamos transformar Cabo Verde”.
Son di Santiagu sugere a Vicente pa continua TA MORA LI.

15. Manu Pretu e Mário Lúcio apresentaram uma grande obra. Don Quixote das Ilhas.
Não vi referência (digna) na nossa imprensa. Estão de parabéns pela realização. Aproveitem o vento e levam este Quixote berdiano ao mundo.

16. A Reitoria da UNICV marcou presença em actividades culturais. Uma exposição de nível de Hélder Monteiro, com texto fino de João Vieira, e um concerto de Natal com alunos e Professores Ricardo e Tó do Pentagrama.
Cheira que o espaço do auditório da Reitoria pode vir a ser um delta positivo nesta mexida tão necessária que à cidade deve ser dada.

17. Secção da Música e Stieve Andrade estiveram sempre no ar. Com a pesquisa sobre tudo o que de melhor acontece. Bons momentos foram proporcionados por Andrade trazendo nos seus encontros de Sábado aspectos curiosos da vida e obra dos seus convidados. Viva Secção da Musica e muita saúde ao Stieve.

18. De vez em quando houve aquela conversa de que nada acontece na cidade, mas quando há também a chamada “classe média” não aparece. Muitos preferem, como disse um amigo meu, passear o cão na marginal.
Em 2007, talvez seja necessário também um programa de luta contra a pobreza de espírito, para alem da de luta contra a pobreza.

19. Quantos concertos deram os nossos artistas internacionais em palcos nacionais?
Porque razão não há concertos do nível que oferecem aos franceses na sua própria terra?

20. Quem deve fazer o balanço do ano cultural nas ilhas?
A esta altura do ano não devíamos era ter uma grande gala da cultura para celebrarmos o que de melhor todos nós afirmamos que temos?

Um bom ano a todos, muita saúde e paz em 2007 e obrigado pelas visitas.

You Might Also Like

1 comments:

Anónimo disse...

E os CD da Lura e Cesária Évora... meu deus ... reconhecem os outros artistas de sucesso CV. Mais um CD recomendável também djinho