Nkrê un Son más Son...

sábado, julho 15, 2006

Tabanka Djazz perde Caló Barbosa


Em Maio, estive em Lisboa. Fui ao Casa da Morna para ouvir música.
Não havia música, mas tive o prazer de jantar com o meu amigo Paló.

Depois do jantar Paló convidou-me para acompanhá-lo ao BLEZA onde ia fazer o som dos Tabanka Djazz. Fui. Afinal era uma oportunidade para rever malta amiga desde os tempos de finason numa famosa viagem a Bissau.

Fui já perguntando pelo Mikas, Ju, quando o Paló deixou-me saber do estado de saúde do Caló. Na hora, a noticia não teve assim tanto impacto.
Chegamos ao BLEZA e no Pátio de Edifício pusemos à conversa com o Mikas.

Depois chega o Caló a conduzir. Não deu para esconder que fiquei triste ao vê-lo. As marcas que o cancro lhe vinha impondo eram visíveis. Quando me viu, deu-me um abraço forte e ainda os parabéns pelo Trás di Son. Perguntei-lhe como se sentia, respondeu: “hoje estou bem, vou até tocar. Fica para ouvir”.

Mas Caló conservava a mesma presença nas músicas do Tabanka Djazz e naquela noite mantinha ainda a simpatia e uma delicadeza que lhe é muito própria.

A morte de Caló toca-me e de certeza toca a todos que de alguma forma conviveram com ele.
Aproveito em nome da malta do Finason para enviar um abraço forte a todos os amigos do Tabanka Djazz.
Que haja mais música em memória a Caló Barbosa.

2 comentários:

karine disse...

Foi possivel sentir-se no velório a consternação que rodeou todos os amigos presentes. Entre música muito calor, desmaios e emoção á tona lá se ouviu alguém dizer que não conseguiria voltar a cantar nada dos tabanka pois ele era a alma das letras!

karine disse...

Foi possivel sentir-se no velório a consternação que rodeou todos os amigos presentes. Entre música muito calor, desmaios e emoção á tona lá se ouviu alguém dizer que não conseguiria voltar a cantar nada dos tabanka pois ele era a alma das letras!